O projeto CNPQ


Este projeto de extensão está vinculado ao Programa de extensão “TEIOS” – Tecnologias da Informação e Organizações Sociais, registrado na Pró-Reitoria de Extensão e Cultura sob o número registro, tendo como objetivo  Impulsionar, por meio de projetos de extensão e pesquisa, que envolvam as tecnologias de informação, a intensificação das relações entre o curso de Sistemas de Informação da UFVJM, outros setores da sociedade Diamantinense e dos Vales do Jequitinhonha, contribuindo para o protagonismo comunitário, o fortalecimento da cidadania e melhoria da realidade sócio-econômica local.

O projeto ora apresentado, surge exatamente por uma necessidade diagnosticada por uma outra ação no campo da pesquisa extensionista, na qual investiga-se as condições de organização do trabalho, da produção e da vida em comunidade dos artesãos dos Distritos de Mendanha, Guinda-Sopa e São João da Chapada. A pesquisa está sendo desenvolvida pelo grupo Organizações e Sistemas de Informação – OSI, do curso de Sistemas de Informação, devidamente certificado pelo CNPQ, e foi contemplado com recurso financeiro para compra de uma pequena parte do material permanente no último CNPQ universal 2010, no qual já foi possível adquirir uma máquina fotográfica digital.

Com os primeiros diagnósticos levantados pelo grupo, por meio de entrevistas com as educadoras sociais do Programa Caminhando Juntos – PROCAJ percebeu-se que no trabalho de apoio às famílias de várias comunidades e distritos que realizam, os distritos de Mendanha, Sopa e São João da Chapada, destacam-se como aqueles em que várias famílias tiram o seu sustento da agricultura familiar e do artesanato, mesmo que a principal renda seja obtida de programas assistencialistas do Governo Federal, como o Bolsa Família. Iniciando o trabalhando de campo, percebeu-se que, além dos desafios referentes à produção agrícola e à produção artesanal, que abrange aspectos quantitativos como formas de investimentos e qualitativos como acabamento e design das peças confeccionadas, a divulgação e a logística de comercialização dos produtos agrícolas e artesanais são empecilhos importantes neste processo de geração de renda.

Outra preocupação diagnosticada, diz respeito aos jovens que precisam, de alguma forma, serem direcionados ao mercado de trabalho e terem uma ocupação sustentável na comunidade. Esta ocupação deve estimulá-los, envolvê-los, além de proporcionar uma complementação qualitativa da formação. Notando que este diagnóstico é comum a todas as comunidades, e que não há intercâmbio entre elas, faz-se necessário criar ações e mecanismos que garantam a essas pessoas acesso independente a informação e viabilizar um canal de comunicação no qual possam trocar experiências, divulgar técnicas produtivas e ações culturais tradicionais, valorizar as diferenças locais, e estimular o diálogo e práticas coletivas para soluções de problemas.